Vida Sustentável

Vida Sustentável

Vida Sustentável RSS Feed
 
 
 
 

Conscientização muda tendências no agronegócio

Consumidores tendem a tornar toda a cadeia de produção de alimentos mais sustentável

Consumidores tendem a tornar toda a cadeia de produção de alimentos mais sustentável

A migração de um paradigma voltado para a exploração máxima dos recursos naturais, praticado no Brasil desde a década de 1960, para outro que visa à proteção do meio ambiente vem ocorrendo porque as pessoas tomam consciência da importância da sustentabilidade em todas as atividades do dia-a-dia. A exigência do consumidor por produtos certificados, orgânicos ou reutilizáveis reflete diretamente na cadeia produtiva do agronegócio brasileiro.

O produtor que está no campo precisa se adequar às necessidades do mercado e utilizar as novas tecnologias que preservam a natureza. Esse processo no Brasil sofre com a herança cultural do antigo modelo exploratório, por isso a busca pela sustentabilidade agrícola ainda apresenta fragilidades na área social, ambiental e econômica – afirma o diretor da Hecta Desenvolvimento Empresarial nos Agronegócios, José Carlos Pedreira de Freitas.

Ele diz, no entanto, que o país está se inserindo nesse novo paradigma de produção sustentável, que exige uma transformação de cultura. Como exemplo de avanços na área social e econômica cita os esforços para inclusão de pequenos produtores no campo, com a criação de mais empregos para a agricultura familiar e orgânica. Na área ambiental, destaca a preservação dos recursos naturais com a criação de novas reservas e áreas de preservação permanente, além do desenvolvimento de insumos agrícolas menos agressivos ao meio ambiente.

“Agora a realidade está mudando; as pessoas questionam antes de comprar os produtos. Por isso são tão importantes os esforços de certificação, os critérios e a rastreabilidade de toda a cadeira de produção”, afirma.

Como exemplo dessa valorização, Freitas fala da certificação FSC para madeiras, que ele considera um avanço. “Há pouco tempo nós achávamos que o papel reciclado era o máximo, até que nos provaram que para reciclar se utiliza mais produtos químicos e se causa mais contaminação”, lembra. “Hoje, o papel reciclado já é passado – o negócio é papel certificado, que significa que ele foi produzido a partir de floresta manejada sustentavelmente”, avalia.

Porém o coordenador do Programa Agricultura e Meio Ambiente da WWF-Brasil, Luis Fernando Laranja, alerta que é preciso continuar com o trabalho de conscientização do consumidor e de pressão política para acelerar este processo de mudança de paradigma da agricultura. “É muito cômodo para um cidadão de São Paulo se comover com a floresta, mas comprar um móvel de madeira ilegal na esquina da Av. Paulista”, afirma.

Laranja se diz com boas perspectivas devido à mudança de percepção das pessoas com relação às causas ambientais. “É impressionante a mudança drástica de visão sobre o aquecimento global. Até Al Gore e IPCC ninguém sabia disso”, diz, lembrando que em poucos anos passou de um profissional “lunático” para um “fashion”.

Preço
Os produtos com esses diferenciais custam mais caro, mas Freitas esclarece que alguns mercados já reconhecem e pagam a mais por esses atributos. É o caso da grande maioria dos alimentos exportados para a Europa, que exige padrões rigorosos de qualidade e rastreabilidade. No Brasil, a iniciativa tem partido das grandes redes de supermercados, onde os produtos orgânicos de maior valor agregado têm feito sucesso entre os consumidores mais conscientes.

Essa percepção, no entanto, ocorre de forma lenta, explica Freitas. No mercado de sulcroalcooleiro, diz ele, tanto o produto gerado por uma usina que cumpre padrões sustentáveis, quanto o álcool produzido em outra totalmente irregular do ponto-de-vista legal, ainda possuem o mesmo preço e o mesmo valor no mercado.

“Mas vagarosamente o consumidor vai percebendo essas características e qualidades dos produtos sustentáveis em comparação com os demais e se dispõe a pagar mais por isso”. Freitas acrescenta que o diferencial competitivo precisa ser facilmente reconhecido pelo comprador: “Quanto mais tangível forem os atributos dos produtos, menos resistência a se pagar a mais. Para isso, os produtores devem buscar certificações e validações de empresas terceirizadas”, defende.

Apesar de lento, o processo tende a ganhar força à medida que as pessoas são educadas para perceber a necessidade de exigir mais dos produtos que consomem. Freitas acredita que a motivação deve ser a mesma que faz a população mundial se conscientizar para combater o aquecimento global sendo contra produtos e práticas que emitem gases do efeito estufa. “O processo é dinâmico. A tendência é no sentido de a sociedade cobrar cada vez mais. E vai caber aos produtores se adequarem”.

Texto de Sabrina Domingos, do CarbonoBrasil.

 

 

Comente!!

Compre aqui

Indicamos

Receba nossas informações:


Nome:



Email: