Vida Sustentável

Vida Sustentável

Vida Sustentável RSS Feed
 
 
 
 

Pesquisa inglesa revela que meninas sofrem influência do peso das mães e meninos, dos pais

Meninos apresentam seis vezes mais chances de chegarem à obesidade se os pais forem obesos.

Meninos apresentam seis vezes mais chances de chegarem à obesidade se os pais forem obesos.

Estudo inglês concluiu que meninas têm dez vezes mais possibilidade de serem obesas se suas mães também o forem. Quanto aos meninos, apresentam seis vezes mais chances de chegarem à obesidade se os pais forem obesos. Nos dois casos, segundo a pesquisa feita pela Península Medical School, crianças do sexo oposto aos pais não foram afetadas. O trabalho, que envolveu 226 famílias, foi publicado na revista científica International Journal of Obesity.

A equipe da entidade de ensino inglesa mediu peso e altura das crianças e adultos participantes durante três anos, concluindo que 41% das meninas de oito anos de idade com mães obesas também apresentavam obesidade. Em filhas de mães não obesas o índice despencava para 4%.

A proporção de obesos entre os meninos não mostrou ser influenciada pela obesidade da mãe. Neste grupo, 18% dos que tinham pais obesos também apresentavam obesidade. Entre os meninos cujos pais tinham peso normal, o índice caiu para 3%. A proporção de meninas obesas também não foi afetada pela obesidade dos pais.

Provavelmente, segundo acreditam os cientistas, o vínculo descoberto não  seria de ordem genética e, sim, uma espécie de “simpatia comportamental”. Ou seja, filhas copiam o estilo de vida das mães e filhos copiam o dos pais.

Os pesquisadores sabem que os médicos tendem a monitorar crianças obesas por acreditarem que a obesidade na infância levaria ao mesmo quadro na vida adulta. O estudo inglês, no entanto, revela que esta suposição ignora que oito em cada dez adultos obesos não apresentavam obesidade na primeira fase da vida.

Segundo os resultados encontrados, acontece o oposto: adultos obesos – no caso, os pais – é que estão levando as crianças à obesidade. O responsável pela pesquisa, Terry Wilkin, comenta: “deveríamos nos concentrar nos pais e isso não é o que temos feito até o momento”.

Por Beth Santos, Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO).

Comente!!

Compre aqui

Indicamos

Receba nossas informações:


Nome:



Email: