Vida Sustentável

Vida Sustentável

Vida Sustentável RSS Feed
 
 
 
 

Estudo busca objeto de vigilância para a prevenção da doença de Chagas

A pesquisa mostra que as palmeiras preferidas por estes barbeiros, geralmente, são as de grande porte e muito sujas (com muita matéria vegetal morta acumulada na copa)

Presente em pelo menos 7,5 milhões de pessoas na América Latina, a doença de Chagas é uma infecção causada pelo parasito Trypanosoma cruzi , transmitido pelos triatomíneos ou “barbeiros”, que na Amazônia costumam infestar palmeiras, em áreas de floresta, e voar para os domicílios, atacando trabalhadores extrativistas ou contaminando alimentos e máquinas destinadas à produção dos mesmos, como as batedeiras de açaí.

Para encontrar meios de prevenir a doença, os pesquisadores Fernando Abad-Franch e Gonçalo Ferraz do Centro de Pesquisa Leônidas e Maria Deane (CPqLMD/Fiocruz Amazônia), em parceria com o Smithsonian Tropical Research Institute e a London School of Hygiene and Tropical Medicine, desenvolveram um estudo que apresenta a primeira tentativa sistemática de definir o objeto da vigilância entomológica, a fim de melhorar as atividades de pesquisa e de vigilância de insetos vetores de doenças transmissíveis, reduzindo o risco de infecção no nível local.

A pesquisa mostra que as palmeiras preferidas por estes barbeiros, geralmente, são as de grande porte e muito sujas (com muita matéria vegetal morta acumulada na copa) 

No artigo Modeling Disease Vector Occurrence when Detection Is Imperfect: Infestation of Amazonian Palm Trees by Triatomine Bugs at Three Spatial Scales, publicado recentemente na revista PLoS Neglected Tropical Diseases, os autores questionam se todas as palmeiras têm as mesmas probabilidades de abrigar colônias de triatomíneos; investigam se as variações nas taxas de infestação de palmeiras estão associadas a diferenças ambientais nas escalas regional, da paisagem, ou das palmeiras individuais; e avaliam a possibilidade de reduzir as taxas de infestação de palmeiras por meio de intervenções de manejo ambiental.

Em síntese, o estudo apresenta uma proposta metodológica geral para melhorar as atividades de pesquisa e de vigilância de insetos vetores de doenças transmissíveis e senta as bases para a vigilância dos vetores da doença de Chagas na Amazônia, abrindo um novo caminho para a redução do risco de contato homem-vetor.

Também mostra que as palmeiras preferidas por estes barbeiros, geralmente, são as de grande porte e muito “sujas” (com muita matéria vegetal morta acumulada na copa) e que o simples procedimento de retirada da matéria vegetal (palha, folhas secas, plantas trepadeiras) da copa das palmeiras situadas perto das moradias pode ajudar a reduzir o risco de transmissão da doença.

Por Ana Paula Gioia Lourenço, da Agência Fiocruz de Notícias. 

Comente!!

Indicamos

Receba nossas informações:

Nome:



Email: